Recent Updates Toggle Comment Threads | Keyboard Shortcuts

  • leogermani 20:02 on 27 de February de 2014 Permalink | Reply  

    Só para dar um panorama pra vocẽs acerca do desenvolvimento:

    O que temos de novidade funcionando:

    . cadastro de agentes, espaços, projetos e eventos
    . Inscrição em projetos
    . listagem simples dos eventos dentro da página de espaço e agentes.

    O que estamos fazendo para lançar no dia 18/03 lá em Brasília do Encontro:

    . Busca completa, com eventos e projetos (ainda não dá pra buscar)
    . Melhoria no cadastro de eventos
    . Melhoria em muitas partes do layout
    . Fazer a Home funcionar
    . Várias melhorias e detalhes menores.

    O software já está no github https://github.com/hacklabr/mapasculturais e lá estamos gerenciando todas as tarefas de desenvolvimento. Dá até pra ver no que estamos trabalhando aqui: https://waffle.io/hacklabr/mapasculturais.

    abraços

     
    • google.com 15:22 on 6 de junho de 2014 Permalink | Reply

      It’s amazing in support of me to have a site,
      which is valuable designed for my experience. thanks admin

  • leogermani 17:29 on 8 de January de 2014 Permalink | Reply  

    Tipologias 

    A tipologia utilizada na plataforma baseia-se na tipologia do SNIIC, porém deve ser adaptada. Não existem alguns tipos de espaços como escolas, praças e bares, por exemplo. Abro este post para discutirmos.

    Aqui está documentada a tipologia atual. Será necessário criar uma página oficial para mantermos esta tipologia e um canal de discussão para que ela seja atualizada conforme necessário.

    Áreas de atuação (utilizada por Agentes e Espaços)

    Antropologia
    Arqueologia
    Arquitetura-Urbanismo
    Arquivo
    Arte Digital
    Artes Visuais
    Artesanato
    Audiovisual
    Cinema
    Circo
    Comunicação
    Cultura Cigana
    Cultura Digital
    Cultura Estrangeira (imigrantes)
    Cultura Indígena
    Cultura LGBT
    Cultura Negra
    Cultura Popular
    Dança
    Design
    Direito Autoral
    Economia Criativa
    Educação
    Esporte
    Filosofia
    Fotografia
    Gastronomia
    Gestão Cultural
    História
    Jogos Eletrônicos
    Jornalismo
    Leitura
    Literatura
    Livro
    Meio Ambiente
    Mídias Sociais
    Moda
    Museu
    Música
    Novas Mídias
    Patrimônio Imaterial
    Patrimônio Material
    Pesquisa
    Produção Cultural
    Rádio
    Saúde
    Sociologia
    Teatro
    Televisão
    Turismo

    Tipologia de Eventos – linguagens  (baseada no programa VAI)

    artes circenses
    cultura digital
    música
    artes integradas
    cultura tradicional
    rádio
    artes visuais
    dança
    teatro
    audiovisual
    hip hop
    cultura indígena
    livre e literatura
    outros

    Tipologia de Projetos

    Festival
    Encontro
    Sarau
    Reunião
    Mostra
    Convenção
    Ciclo
    Programa
    Edital
    Concurso

    Tipologia de Espaços

    Equipamentos Culturais
    . Espaços de Exibição de Filmes
    …. Cine itinerante
    …. Cineclube
    …. Drive-in
    …. Espaço Público Para Projeção de Filmes
    …. Sala de cinema
    . Bibliotecas
    …. Biblioteca Pública
    …. Biblioteca Privada
    . Teatros
    …. Teatro Público
    …. Teatro Privado
    . Centros Culturais
    …. Centro Cultural Público
    …. Centro Cultural Privado
    . Arquivos
    …. Arquivo Público
    …. Arquivo Privado
    . Museus
    …. Museu Público
    …. Museu Privado
    . Centros de Documentação
    …. Centro de Documentação Público
    …. Centro de Documentação Privado
    . Espaços Religiosos
    …. Templo
    …. Terreiro
    …. Mesquitas
    …. Sinagoga
    …. Igreja
    . Demais Equipamentos Culturais
    …. Galeria de arte
    …. Livraria
    …. Sebo
    …. Videolocadora
    …. Lan-house
    …. Antiquário
    …. Ateliê
    …. Centro de artesanato
    …. Casa de espetáculo
    …. Danceteria
    …. Estúdio
    …. Concha acústica
    …. Banca de jornal
    …. Espaço para Eventos
    …. Creative Bureau
    …. Ponto de Leitura Afro
    …. Centro Comunitário
    …. Casa do Patrimônio
    …. Usina Cultural
    …. Praça dos esportes e da cultura
    …. Espaço Mais Cultura
    …. Sala de dança
    …. Gafieira
    …. Espaço para apresentação de dança
    …. Rádio Comunitária
    . Circos (Espaços)
    …. Circo Itinerante
    …. Circo Fixo
    …. Terreno para Circo

    Tipologia de Agentes

    Individual
    Coletivo

    A tipologia de Agentes utilizada no SNIIC ainda não foi adaptada para a plataforma por ser muito extensa e ainda incluir o CBO (Cadastro Brasileiro de Ocupações).

    A taxonomia completa do SNIIC pode ser vista neste documento: https://docs.google.com/file/d/0B7w4UE2FCyzBMTZFQWJYNVN3NVE/edit. Fonte: http://culturadigital.br/sniic/2012/08/30/dados-de-objetos-culturais/

     

     
  • leogermani 19:08 on 7 de January de 2014 Permalink | Reply  

    Documentação 

    Estamos começando a produzir a documentação de uso da plataforma e existem algumas questões que gostaríamos de abrir para discussão. Uma em relação ao escopo dessa documentação, e uma segunda em relação ao formato e ao local onde essa documentação será hospedada.

    1. Escopo

    A princípio esta documentação deve servir para os usuários da plataforma, tanto os administradores quanto os colaboradores. Ela não é uma documentação sobre instalação, configuração ou outros aspectos técnicos.

    Nossa dúvida é se essa documentação deve também contemplar uma parte mais conceitual da plataforma, sugerindo em que contextos ela pode ser utilizada, metodologias de implantação, estratégias de adoção, etc.

    2. Formato e local da documentação

    Este é um ponto um pouco mais complicado e, para facilitar, vou listar algumas opções e indicar os prós e contras de cada uma para termos um ponto de partida.

    a. Documentação totalmente integrada

    Neste modelo, a documentação fica toda dentro da própria plataforma e é distribuída em conjunto com o software. Boa parte da documentação é colocada no próprio contexto no formato de balões de ajuda e “tours” que guiam o usuário na utilização dos recursos da plataforma

    prós: Maior integração com a plataforma; Toda a instalação já teria a documentação integrada. Maior interatividade

    contras: Dificuldade na criação, edição e atualização da documentação, já que essa seria parte do software; Maior dificuldade de integração com diferentes temas – caso exista no futuro outros temas visuais para a plataforma

    b. Documentação online

    Neste modelo a documentação ficaria online, em um site do projeto mapas culturais, e todas as instalações da plataforma apontariam para ela. Por exemplo docs.mapasculturais.org.br. Poderia ser um Wiki ou um WordPress aberto para contribuições.

    prós: Facilidade de criação e edição. Facilidade de ampliação da documentação (criação de novos tópicos não necessariamente relacionados a nenhuma tela ou funcionalidade específica)

    contras: Menor integração com a plataforma; Dificuldade de versionamento da documentação (a documentação estará sempre se referindo a última versão da plataforma enquanto alguém ainda pode estar em uma versão mais antiga); Dificuldade de explicação de certas coisas de maneira genérica (por exemplo, no caso da Secretaria de Cultura de Sâo Paulo, existem informações que são oficiais e informações que não são. Em outros contextos a nomenclatura pode ser um pouco diferente e pode ser confuso de explicar)

    c. Documentação local, porém em outro software

    Nesta opção, faríamos um outro software (provavelmente um WordPress) que seria distribuído junto com a plataforma e que já conteria a documentação base. Assim, quando uma nova instalação da plataforma for feita, é preciso instalar também esse WordPress no mesmo endereço, fazendo assim com que a documentação funcione.

    prós: Possibilidade de personalizar trechos da documentação para o cenário local; Garantia de que a documentação está na mesma versão da plataforma

    contras: Maior complexidade de instalação (ter que distribuir 2 softwares); possível dificuldade de atualização (quando atualizar a versão do software, atualiza também a documentação, mas como manter as edições locais?); Menor integração.

     

    E aí? o que acham?

     
    • Aline Carvalho 19:38 on 8 de janeiro de 2014 Permalink | Reply

      Olás,
      Pensando do ponto de vista do usuário / multiplicador da plataforma, acho que a opção deve ser a que permitir a melhor “multiplicação” da plataforma, no sentido do que for mais fácil e motivador pra se apropriar dela. Eu não entendo muito da parte técnica disto, mas considerando que quem for implementá-la deverá ter um mínimo de conhecimento a respeito, me parece que a versão online, que permite atualizações (pensando no posterior desenvolvimento / manutenção do software), é uma opção razoável, não?
      Seguimos!
      Bj

  • leogermani 21:01 on 20 de December de 2013 Permalink | Reply  

    Presente de fim de ano 

    Esses últimos meses foram bastante corridos pra nós aqui que estamos desenvolvendo a plataforma.

    Conciliar todos os desejos que levantamos juntos naquele workshop (e muito antes dele também) com uma agenda viável de execução e com o tempo da Secretaria de Cultura aqui de São Paulo não foi uma tarefa fácil!

    Com isso tudo acabamos deixando esse espaço de lado, já que não tínhamos muito tempo para interações. Mas contamos com ajuda e pitacos de vários parceiros que estavam por perto e tivemos muitas interações com o pessoal da prefeitura, que serão os primeiros usuários do sistema.

    Em paralelo a isso também rolou um processo no bairro do Campo Limpo, aqui em São Paulo, em parceria com a agência Solano Trindade, e um mapeamento foi feito naquela região, já usando a versão alpha do sistema.

    Muitas questões surgiram durante o desenvolvimento e vamos precisar discutí-las no início do ano que vem. Sentimos falta de algumas coisas na tipologia do Sniic, e teremos que ampliá-la e existem muitas outras dúvidas em relação a lógica de funcionamento da plataforma que queremos compartilhar e buscar uma solução em conjuto com todos vocês. Aguardem muitas discussões neste espaço no início do ano que vem!

    Ah, e claro, imagino que vocẽs queiram dar uma olhada em como o sistema está ficando. Pensando nisso colocamos um demo no ar, no qual vocês podem entrar, se cadastrar e usar. Assim sem uma apresentação formal algumas coisas podem ficar um pouco confusas, ainda mais porque o sistema não está pronto e algumas coisas não funcionam, mas acho que vocês podem se divertir. Acessem http://demo.mapasculturais.hacklab.com.br (usem o Chrome). Só por favor não divulguem isso por aí, pois pode passar uma má impressão já que não está pronto!

    Abaixo uns screenshots.

    Um ótimo fim de ano para todos!

    abraços

    Leo,,

    Captura de tela de 2013-12-20 17:49:01

    Screenshot from 2013-12-20 19:26:53

    Screenshot from 2013-12-20 19:27:11

     

     

     
    • Miguel 0:25 on 21 de dezembro de 2013 Permalink | Reply

      Opa. Miguel linha. Um salve para todos.
      O povo do campo limpo trouxeram algumas questões que poderão enriquecer a questão das tipologias…. Inclusive o sistema de tags pode ajudar no aperfeiçoamento da listagem das tipologias.

      Outro tema que poderá surgir diz respeito ao CNPJ (é um agente?) e essa questão recai. Qual o tipo de dados que queremos ou poderá ser extraído da plataforma que ajude a construção de políticas culturais ou mesmo que se manifeste quantitativamente o universo cultural.

      Enfim.

      Boa virada

    • João Paulo MEhl 5:17 on 14 de janeiro de 2014 Permalink | Reply

      Pessoal,

      tá ficando incrível, já fiz alguns testes de cadastro e rolou bem legal, intuitivo demais.
      Só aguardando pra gente instalar uma versão aqui pra mandarmos ver nos testes!

  • diegorojas 20:21 on 18 de October de 2013 Permalink | Reply  

    Olá Povo! A conversa parou?! 

    Gostaria de saber se o projeto tem avançado e como faria para um mapeamento que desenvolvo entrar na listagem do blog?

    mapeamento.maracatu.org.br

    Abs!

     
    • diegorojas 12:07 on 23 de outubro de 2013 Permalink | Reply

      Valeu Andre! Depois continua a conversa por aqui mesmo!

      • leogermani 19:35 on 20 de dezembro de 2013 Permalink | Reply

        Apenas pra deixar registrado por aqui que o Diego conversou com o Andre Deak por outros meios e o papo avançou

    • João Paulo Mehl 22:37 on 27 de outubro de 2013 Permalink | Reply

      Pessoal,

      aqui o papo está voando muito, na terça feira agora, 29/10 faremos o lançamento do http://www.labculturadigital.org, estão todos convidados!
      Vamos firmar aqui a parceria institucional entre o Lab e o Mapas Culturais para dar mais potência ao projeto e contruírmos este processo de forma ainda mais compartilhada e distribuida.
      Vamos ae!

    • maite freitas 16:49 on 5 de novembro de 2013 Permalink | Reply

      Olá,
      desenvolvo um projeto de pesquisa e mapeamento das rodas de samba de São Paulo. Gostaria de saber como fazer parceria e aliar-se ao mapeamento

      http://palavrartecomunicacao.wordpress.com/category/projetos/mapa-do-samba-projetos/

      estou usando a plataforma mootiro maps para mapear as rodas: http://maps.mootiro.org/project/305/

      • Andre Deak 21:40 on 20 de dezembro de 2013 Permalink | Reply

        Maite, estou te mandando um email pra gente conversar, ok? bj

        • Miguel 13:57 on 24 de dezembro de 2013 Permalink | Reply

          Deak e Maite. Aproveito para mencionar que rodas de samba/samba etc devem ser analisados para fazer parte da tipologia de classificação do mapas culturais. Maite, seguimos a conversa o Deak pod ete explicar mais ….

  • leogermani 0:18 on 14 de August de 2013 Permalink | Reply  

    Esboço de escopo 

    Compartilho aqui o primeiro esboço da sistematização do escopo da plataforma de Mapas Culturais.

    Como disse, é apenas um esboço, não exaustivo do ponto de vista de funcionalidades, mas que busca desenhar a estrutura básica de dados e fluxo de informações.

    Agentes

    Quando um usuário se cadastra e é classificado como Agente cultural
    Classificações de agentes culturais:
    . músico
    . produtor
    . detalhar

    Um Agente pode pode criar/gerenciar: Espaços, Projetos, Eventos e Contratos

    Um Agente pode cadastrar relações com outros agentes (parceiros, contratantes, contratados, etc…)

    Espaços

    Qualquer agente pode cadastrar um espaço.

    Ao cadastrar um espaço, um agente escolhe se quer deixar as informações e a agenda deste espaço aberta para a contribuição de qualquer outro agente, ou se quer ter exclusividade sobre isso.

    Por padrão, o agente que cadastrou o espaço tem autoridade sobre este espaço e é o único que pode alterar essa configuração.

    A autoridade sobre um espaço pode ser disputada e haverão mecanismos automáticos e colaborativos para resolução da disputa:
    . votação por terceiros para indicar quem deve ter autoridade
    . pensar em outros mecanismos

    A autoridade de um espaço sempre poderá ser alterada por um administrador do sistema

    Para espaços que não estão abertos para colaboração, haverá sempre um link para indicar erros de informação, sugerir alterações, ou apontar erros.

    Cada espaço pode ter sub-espaços (ex: Centro Cultural tem várias salas. Cada sala é um sub-espaço)

    Haverá uma árvore padrão de classificação dos espaços e dos metadados que cada espaço deve ter dependendo do tipo que é. Esta árvore será mantida publilcamente e discutida entre as entidades envolvidas no projeto. Cada instação da plataforma poderá alterar essa árvore para suas próprias necessidades. (A árvore padrão será baseada na árvore desenvolvida pelo SNIIC/Ministério da Cultura)

    Ex:
    Dados gerais:
    . nome
    . critérios de uso
    . detalhar
    Cinema
    . número de lugares
    . tamanho da tela
    . etc
    Teatro
    . número de lugares
    . tamanho do palco
    . etc

    Eventos

    Eventos sempre acontecem em algum espaço.

    Um mesmo evento (por exemplo uma peça de teatro) pode ter várias ocorrências. Cada ocorrência pode ter repetições e pode ser em um lugar diferente.
    Ex: Peça O Grande Rei. Toda quarta de agosto no Teatro A e toda quarta de setembro no Teatro B.

    Um evento pode ser marcado como parte de um Projeto. Só poderá fazer essa relação o Agente responsável pelo projeto ou os agentes que foram identificados pelo responsável como contemplados por este projeto.

    Para um evento, podem ser declarados vários Contratos relacionados a ele. (veja item Contratos).

    Quando um agente cria um evento para um espaço que não tem a colaboração aberta e sobre o qual não tem autoridade, este evento fica em moderação até que o responsável pelo espaço o aprove.

    Dados do evento
    . Título
    . descrição
    . fotos
    . detalhar

    Depois de um evento ter ocorrido, ainda poderão ser adicionadas informações como:
    . público presente
    . fotos

    Sempre poderão ser adicionados comentários

    Projetos

    Projetos podem ser Editais abertos para qualquer agente se inscrever, ou projetos internos de um espaço ou um agente que quer agrupar vários eventos dentro de um mesmo contexto ou orçamento.

    Ex: Edital VAI edição 2013
    Ex: Sextas Sonoras (projeto fictício que um Centro Cultural pode ter de shows as sextas-feiras)

    Ao criar um projeto o agente pode optar por criar um formulário de inscrição para que outros agentes se inscrevam neste projeto. Ao fim das inscrições o agente pode indicar quais outros agentes foram selecionados e autorizá-los a criar eventos relacionados a este projeto (Em avaliação para primeiro escopo)

    Contratos

    O objetivo deste controle de contratos não é substituir um sistema complexo de controle e prestação de contas, mas apenas ter um registro geral de orçamentos, quem pagou quanto pra quem.

    A ideia é que esse contrato possa ser criado diretamente da mesma tela onde se cria um Evento ou um Projeto.

    Ex: Um agente cria o show do ArtistaX na sexta-feira e já coloca o contrato que estabeleci com ele (nota: o artista pode ser também um agente cadastrado no sistema)

    O mesmo pode ser feito em relação a projetos. Um projeto pode ter vários contratos relacionados.

    Dados do contrato:
    . Quem pagou? (pode ser o agente que está criando, um espaço sob autoridade deste agente ou um projeto deste agente)
    . Quem recebeu? (Pode ser um agente cadastrado no sistema ou um CPF/CNPJ)
    . Identificador: (Codigo que identifique este contrato em outro sistema de controles. Por exemplo, no caso da prefeitura, pode ser colocado o número do processo)

     

    Outras informações:

    Login através de OpenID (futuramente poder usar o mesmo login em outra instalação da mesma plataforma e levar seus dados de uma para outra)
    API para extração de todos os dados
    Espaço para discussão da plataforma com os usuários
    Extração de relatórios com cruzamento de dados… Muitos relatórios!

     

    Visualizações da Plataforma

    Apesar de ser um único sistema, existem usos muito distintos e por isso podem ser apresentados em sites distintos porém interligados.

    1. Agenda Cultural

    Espaço para o público em geral navegar na agenda de eventos: por linguagem, por espaço, por regiao, por data, etc…

    2. Mapa da Cultura

    Espaço para o público visualizar o mapa da cultura, ver os espaços e agentes, a agenda, fazer cruzamentos de dados e criar seus próprios mapas.

    Além de um mapa geral, com todos os filtros disponíveis para um usuário poder pesquisar, haverão mapas que já serão recortes editoriais, apresentando dados relevantes, de forma a facilitar a leitura dos dados.

    3. Espaço “Gerencial”

    Onde o agente cultural vai poder administrar seus espaços, contratos, eventos e projetos e extrair relatórios.

    4. Meta

    Espaço para documentação da plataforma, suporte ao usuário, discussão de rumos e etc.

     

     
    • Andre Deak 14:35 on 14 de agosto de 2013 Permalink | Reply

      Importante considerar “espaços públicos” como possibilidade de “espaços”. Minhocão, Praças, Ruas…

      • Andre Deak 14:46 on 14 de agosto de 2013 Permalink | Reply

        uma questão: taxonomias. Usaremos coisas do Sniic? E por falar em Sniic… alguma integração prevista nessa primeira etapa?

        • leogermani 16:57 on 16 de agosto de 2013 Permalink | Reply

          essa taxonomia tá dentro daquela “árvore” que eu cito ali de classificação dos espaços. A ideia é se basear na do SNIIC. Que inclui não só as classificações mas também que tipo de metadado cada espaço tem que ter dependendo do seu tipo.

          A integração em um primeiro momento é:
          . acompanhar o desenvolvimento dos webservices do SNIIC
          . Dar possibilidade de exportar os dados para o SNIIC através desses Webservices

      • catia 14:23 on 16 de agosto de 2013 Permalink | Reply

        O Miguel comentou que no Sniic eles chamam de objeto por isso, e mais ainda, porque estão considerando equipamentos urbanos, como postes, muros, etc.

    • catia 14:37 on 16 de agosto de 2013 Permalink | Reply

      A parte de cadastro de dados está bem pensada, mas acho que precisamos botar uma energia em pensar mais nas possibilidades de uso da ferramenta. Isso está muito cru ainda. Existem várias ideias, mas nada muito definido. Eu vejo que antes de mais nada é preciso definir os perfis de usuários que utilizarão a plataforma, porque existe mais de um é óbvio. Definindo essas personas, elas poderão ser usadas como base para definirmos os serviços que a plataforma fornecerá e podermos partir para a arquitetura.

      • leogermani 20:16 on 16 de agosto de 2013 Permalink | Reply

        brainstorm de casos de uso:

        Usuários logados (agentes)

        . criar/gerenciar: Espaços, Projetos, Eventos e Contratos
        . cadastrar relações com outros agentes (parceiros, contratantes, contratados, etc…)

        . comentar eventos e informações
        . se inscrever em projetos de outros agentes

        Usuários não logados

        . pesquisadores
        . público buscando cultura
        . jornalistas
        . estudantes
        . pessoas de comunicação

        . buscar eventos culturais
        . pesquisar informações sobre cultura
        . pesquisar informações sobre o mercado da cultura
        . pesquisar informações sobre contratos públicos na cultura
        . pesquisar informações sobre distribuição de recursos na cultura
        . pesquisar açoes culturais em uma determinada regisão
        . pesquisar ações culturais de uma determinada linguagem
        . Criar mapas com filtros e recortes dos dados

        . comentar os eventos e informações… ****

        . desenvolvedores que queiram fazer outras aplicações a partir dos dados

    • leogermani 20:12 on 16 de agosto de 2013 Permalink | Reply

      Um ponto que discutimos aqui é que ao fazer um cadastro, o usuário ainda é um usuário simples, que pode apenas comentar e fazer ações básicas.

      Ele pode então, criar um perfil de agente, e dizer que tipo de agente é e completar esse cadastro. A partir daí ele poderá exercer todas as funções descritas aí.

      Um mesmo usuário pode criar mais de um perfil de Agente. E um perfil pode ser coletivo, por exemplo o perfil de uma banda ou grupo de teatro. No perfil deste Agente coletivo fica registrado a data de entrada e saída dos usuários que fazem parte dele.

    • Donsalvatore 22:32 on 18 de agosto de 2013 Permalink | Reply

    • Donsalvatore 22:36 on 18 de agosto de 2013 Permalink | Reply

      SOBRE ESPAÇOS

      Nome do objeto
      tipologia do objeto
      CNPJ (se houver)
      endereço
      recursos do objeto:

      • Donsalvatore 22:46 on 18 de agosto de 2013 Permalink | Reply

        SOBRE ESPAÇOS

        Nome do objeto
        tipologia do objeto
        CNPJ (se houver)
        endereço
        telefone (telefones) poder inserir mais campos
        site ou sites, redes sociais diversas
        horário geral de funcionamento (serviço)
        agenda desse espaço (poder verificar quais dias a sala ficou sem atividade, relatório de ocupação)
        recursos do objeto:
        – Nome do espaço
        -infra disponível

        -anexar arquivos como plantas, fotos, vídeos
        – aqui fico na dúvida se já deveria entrar, mas ao menos deve estar em mente para o futuro desenvolvimento: campos das ofertas de equipamentos e infra disponível (acho que por hora um anexo de recursos já basta não) ou boxes para a pessoa “ticar” equipamentos e infra disponível.

        Sobre CAMPOS DA AGENDA e EDITAL: evoluindo. Aqui as demandas da SMC:
        https://drive.google.com/folderview?id=0B_rIJHZCUTCHdWdkMnNUNW5vWFU&usp=sharing

  • Andre Deak 14:10 on 6 de August de 2013 Permalink | Reply
    Tags: debate, desenvolvimento, fórum   

    Pra começar a conversa: bem-vindo ao fórum de desenvolvimento do projeto Mapas Culturais. Aqui vamos levantar questões e conversar sobre o que estamos fazendo, e como. Comece um debate, comente, proponha. Vamos também colocar nossas dúvidas por aqui pra você nos ajudar como puder.

     
c
compose new post
j
next post/next comment
k
previous post/previous comment
r
reply
e
edit
o
show/hide comments
t
go to top
l
go to login
h
show/hide help
shift + esc
cancel